Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Dezembro e o melhor de 2013

Pois é... e num instante chegamos a Dezembro, o mês de todas as reflexões anuais. E no Few days on land não vai ser diferente.

O que de melhor se passou este ano? As melhores músicas? As melhores séries? Os melhores filmes? Os melhores livros? As melhores notícias? O que visitei de mais bonito em Portugal? Tudo para ir encontrando pelo blog ao longo do mês.

 

Alguém tem sugestões? É favor servirem-se dos comentários para as fazerem! :)

Boa notícia!

É bom saber que, depois de dois anos como conteúdo pago do jornal Público, esta reportagem que escrevi está, finalmente, acessível a todos os que a queiram ler!

 

 

Aqui fica um exerto do texto:

 

Toda uma moda nacional

 

Através do crowdfunding, qualquer pessoa pode ser financiada por desconhecidos. Assim tenha uma ideia ou um projecto interessante, atraente ou extravagante.

 

Índia. Quando Inácio Roseira e Helena Pimentel passaram pela cidade de Cochim, viram alguns cães abandonados a passear e decidiram, "num acto de impulsividade e emocional", agarrar num dos animais para que viajasse com eles. O casal deu a volta à Índia, num sidecar, ao longo de cinco meses.

A cadela Kashi fez cinco mil quilómetros com eles e, no fim da viagem, Inácio e Helena queriam trazê-la para Portugal. Mas não tinham dinheiro suficiente para o fazer. Pedir emprestado? Não. Esmola? Nem pensar. Por que não pedir ajuda, para custear a despesa de transporte da cadela, a pessoas perfeitamente desconhecidas? Estranho, mas verdadeiro, o crowdfunding é a forma de financiar projectos individuais, aqueles que, "normalmente, têm um investimento inicial relativamente baixo, mas que não permite que os entrepreneurs consigam ter acesso a esses fundos por outros meios", explica Nuno Costa, sócio da Deloitte, ao P2.

O crowdfunding não se faz no meio da rua mas através da Internet. Existem entidades que disponibilizam os seus sítios online, outras desenvolvem um sítio para receberem os projectos. Em Portugal, já existem plataformas nacionais específicas. Até há pouco tempo, os portugueses recorriam a espaços internacionais. Os internautas podem aceder e escolher que projecto financiar. Cabe aos interessados prepararem uma apresentação do que é o seu projecto, inclusive com material multimédia, e os gestores do site fazerem uma prévia avaliação, continua Nuno Costa.

Mas há mais....

 

Ver reportagem completa

Pág. 6/6