Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Vamos falar da Selecção Nacional?

Parece que finalmente ganhámos alguma coisa!

Não ganhámos? Como assim? Aquela festa no final do jogo foi porquê então?!

Sempre ouvi dizer que "Ganhar ou perder é desporto". Na dúvida, vamos ganhar (é melhor, digo eu!). Era claro e óbvio que Portugal queria ganhar? Não digo que não tenham tentado e que não tiveram oportunidades para isso, mas continuamos no quase. Já é hora de mostrarmos que valemos mais que "quase", Portugal!   

Um jornalista perguntou ao seleccionador Paulo Bento na conferência de imprensa: "O que falhou?". O seleccionador disse que não falhou nada e eu até percebo... Testou novos jogadores (alguns não acrescentaram muito ao jogo mas só podemos formar opiniões se os virmos a jogar), era um amigável e Portugal empatou. Muito bom, não? Mas porque carga de água é que uma Selecção que ainda tem muito a provar, não só no nosso país mas principalmente no mundo, mostrando que merece estar no Campeonato do Mundo de 2014 no Brasil ia querer ganhar um jogo amigável? Sinceramente... São ideias!

Depois do jogo fui acompanhando os programas de análise da RTP Informação e da SIC Notícias e concordei com algumas das opiniões dos comentadores. É que a Selecção Holandesa tudo fez para manter o resultado. Não queria sofrer golos, o 1-0 chegava e por isso não estavam a  jogar como é normal nem deixaram Portugal jogar como consegue. No geral, a Selecção Portuguesa jogou melhor na segunda parte do jogo, conseguiu encontrar outras formas de criar perigo junto da baliza adversária e teve mais oportunidades, mas a contínua "falta de sorte e pontaria" não permitiu que chegássemos à vitória. Só não podem é justificar-se com falta de apoio porque o público ontem foi, mais uma vez, magnífico e esteve do lado da equipa durante todo o jogo.  

Um jogador que me surpreendeu no jogo de ontem foi o Luís Neto. Os comentadores do jogo disseram várias vezes que ele tinha justificado a chamada à Selecção em jogos anteriores mas eu não tive oportunidade de assistir. Uma coisa é certa... Se ainda não tinha feito o suficiente, o que fez no jogo de ontem já está bom. Agora é só continuar o bom trabalho. Também gostei de ver o Pizzi e o Nélson Oliveira a jogar. Tenho pena que o Benfica não aproveite estes talentos. Seriam mais-valias no plantel do Glorioso, sem dúvida!

Quanto aos jogadores mais "antigos", o Cristiano Ronaldo já dispensa qualquer comentário. É o jogador mais conhecido da nossa Selecção e continua a somar razões para ser o melhor jogador português e, por isso, o melhor do Mundo: se não contarmos o empenho e a constante procura pela vitória (dificilmente iremos encontrar alguém que goste menos de perder do que CR7 e não é preciso conhecê-lo muito bem para afirmar isso) podemos contar os 40 golos que marcou ao serviço da Selecção Portuguesa. Pode nem sempre estar motivado para os jogos com selecções menos cotadas no ranking (e é verdade que algumas vezes não parece estar) mas por alguma razão é chamado para resolver os problemas que vão aparecendo. O jogo de ontem foi mais um desses casos. Quando o jogo chegou aos 60 minutos os comentadores disseram que normalmente era naquela altura que o seleccionador português substituía o Cristiano Ronaldo. Normalmente. Ontem Portugal estava a perder e o Ronaldo jogou 90 minutos. Jogou e marcou, como é costume. Já agora, obrigado. É que assim mantemos a tradição de não perdermos com a Holanda. E manter tradições é bom para o nosso país!

Destaco também o excelente jogo de Fábio Coentrão, Miguel Veloso e João Pereira.

Outro jogador que gosto é o Beto (não gosto quando ele representa o FCP, o que não vai acontecer, pelo menos esta época e que acaba por ajudar alguns benfiquistas a simpatizar mais com ele durante as competições internacionais) e gostava que ele fosse titular mais vezes pela Selecção. Mas menciono-o neste post porque ele protagonizou o momento mais engraçado da noite quando, nas denominadas entrevistas rápidas do pós-jogo, ao responder a uma pergunta do jornalista sobre a próxima época e se será bom jogar em Espanha, disse: "Sim, se Deus Nosso Senhor quiser!". Gostei! Acho que é o jogador mais apropriado para chamar às conferências de antevisão e para entrevistar depois dos jogos não só por esta versão mais humorística mas também porque se há alguém que tem capacidade de comunicação na Selecção, é ele!         

No ano passado tive que dar a mão à palmatória por ter afirmado que a nossa selecção até podia ir ao Europeu mas não ia fazer boa figura. A verdade é que fez (e espero poder dizer o mesmo no próximo ano). Mas continua a não chegar. Não é uma questão de criticar apenas para criticar. É que acredito realmente nos jogadores e nas escolhas do seleccionador Paulo Bento e tenho a convicção de que eles valem mais do que aquilo que mostram na maior parte dos jogos. No dia 6 de Setembro precisam de mais eficácia e melhor sorte para vencer e o país vai estar a apoiar. Portugal!!