Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Uma visita à exposição "1915, o ano do Orpheu"

O Museu da Eletricidade, em Lisboa, proporcionou mais um excelente momento cultural aos seus visitantes. Frisemos: excelente e gratuito! A exposição "1915, o ano do Orpheu" foi inaugurada a 26 de Junho deste ano. As últimas visitas aconteceram no fim-de-semana passado, mais precisamente a 20 de Setembro. Algures neste período de tempo, parti à redescoberta deste mundo, que me fascina como já devem ter percebido e que nunca pára de me surpreender. Esta exposição contextualiza a revista literária Orpheu nos acontecimentos e vivências do ano de 1915, cem anos depois do lançamento da mesma. Era uma sala pequena mas bem desenhada e com muitos pormenores da história da literatura portuguesa que importam conhecer e relembrar. Agora que a exposição terminou, partilho convosco algumas das fotografias 

 

1915_o_ano_do_orpheu (1).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (2).JPG

 

A revista Orpheu teve uma vida curta mas a repercussão do talento dos autores que a pensaram criou um misticismo que, de alguma forma, ainda está presente entre nós em 2015 e, na minha opinião, será eterno. Para os portugueses, para Portugal e para a história da nossa literatura no mundo. "Extinta e inextinguível", como diria Pessoa.

 

Com apenas dois números publicados e um terceiro projectado, a revista esgotou as edições e provocou várias reacções não só em Portugal como também em vários países da Europa. Dividiu opiniões ao retratar as mudanças artísticas e literárias, um período de vanguarda liderada por Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro ou Almada Negreiros, por exemplo. 

 

 

       1915_o_ano_do_orpheu (3).JPG  1915_o_ano_do_orpheu (4).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (8).JPG

              

              1915_o_ano_do_orpheu (5).JPG         1915_o_ano_do_orpheu (6).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (7).JPG

 

Steffen Dix, autor de várias obras relacionadas com Orpheu e com os autores por ela consagrados, foi o comissário desta exposição, que contou ainda com o apoio do Centro Nacional de Cultura.

"1915, o ano do Orpheu" é um retrato cronológico da época apoiado em registos bibliográficos, fotografias, objectos, filmes, cartazes publicitários, material bélico, desenhos e poesia. Orpheu é parte da nossa História. Orpheu é parte de nós, da nossa cultura. adaptação a diferentes visões do mesmo mundo. A exposição integrou o conjunto de eventos programados para as celebrações do centenário do lançamento da revista.

 

1915_o_ano_do_orpheu (12).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (9).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (10).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (11).JPG

 

   1915_o_ano_do_orpheu (13).JPG  1915_o_ano_do_orpheu (21).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (14).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (15).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (16).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (18).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (19).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (17).JPG

 

"O Orfeu não acabou. De qualquer maneira, em qualquer "tempo" há-de continuar".

Mário de Sá-Carneiro, «Cartas de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa»

 

 

1915_o_ano_do_orpheu (22).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (23).JPG

 

 

Não há nada a fazer. Eu sou uma apaixonada por este mundo. "Perdi-me" por horas numa exposição que estava confinada a uma pequena sala do Museu. Estava mesmo a precisar de toda esta arte. Alguém aqui é fã da revista Orpheu e dos talentos que ela revelou?

Uma visita ao Bairro das Artes

Na quinta-feira passada, dia 17, realizou-se a 6.ª edição do Bairro das Artes, uma iniciativa que acontece em Lisboa e que concentra em si a inauguração de exposições em diversas galerias de arte da cidade. Há outros momentos a acontecer como apresentações de livros, por exemplo, mas esta é uma oportunidade única para conhecer ou rever diversos espaços artísticos e culturais localizados no Chiado, na Bica, na Misericórdia ou no Príncipe Real. E foi incrível!

 

Fui com a L. e aproveitámos para pôr a conversa em dia, enquanto visitámos a "BLITZFORUM #9: Still Scenarios n.1 - 9", na Galeria Alecrim 50; a "Coleção António Cachola", na Galeria Chiado 8; a "Por Fora & Por Dentro", na Opus 14 (a minha favorita); e a "XS art", na Galeria Maria Lucília Cruz. Afinal... #SóaArtenospodesalvar.

 

bairrodasartes (1).JPG

"Coleção António Cachola"  |  Galeria Chiado 8 

 

bairrodasartes (2).JPG

"Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

bairrodasartes (3).JPG

"Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

bairrodasartes (4).JPG

"Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

bairrodasartes (5).JPG

 "Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

bairrodasartes (6).JPG

 "Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14 

 

bairrodasartes (7).JPG

 "Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

bairrodasartes (8).JPG

 "Por Fora & Por Dentro"  |  Opus 14

 

P.S. Não há registo fotográfico das inaugurações que aconteceram na Galeria Alecrim 50 e na Galeria Maria Lucília Cruz. No primeiro caso, foi porque estava muito barulho dentro da galeria, muitas pessoas a falar muito alto e poucas pessoas a apreciar a arte que, só por acaso, era excelente e, por essa razão, não conseguimos ficar lá durante muito tempo. No segundo caso, as responsáveis pela galeria pareceram-me pouco dispostas e pouco receptivas a ter uma pseudo-fotógrafa a registar o talento exibido. Uma pena, portanto.

'Lights' é todo um outro nível de Theo Hutchcraft

 

 

Sou fã de Hurts desde o início, desde 'Wonderful Life', de 2009. Portanto, sei que eles escrevem como ninguém sobre as nossas emoções, que as melodias que criam são dançáveis e que estão dispostos a fazer diferente, a arriscar. Aliás, falando particularmente do vocalista, Theo Hutchcraft, sempre soube que ele tem uma voz singular, única mesmo, capaz de cantar em vários registos sem desiludir os fãs.

 

Tive a oportunidade de assistir ao concerto deles no Hard Club, no Porto, em Fevereiro de 2011, e constatar que, tal como parecia pelos vídeos que vi antes do concerto, eles eram calmos, dançavam pouco (o pouco que se viu foi de Adam, o pianista do duo) e apostavam tudo no alcance vocal de Theo, que é exactamente igual entre o registo em CD e a actuação ao vivo. E, se é para falar de todas as qualidades que lhe conheço, não posso deixar de acrescentar que ele é bonito, com um ar sereno e "arrumadinho".

 

Mas, senhoras e senhores, ainda não estou em mim depois de ver o vídeo de 'Lights' o mais recente tema de apresentação de Surrender, o novo álbum da banda que chega às lojas em Outubro (e sobre o qual já falei aqui). De facto, Theo apresenta-se a outro nível. É todo um outro nível de Theo. 

                                         

212c9b9249409e2568c4cdd7cd7e685b.jpg

Estou estupefacta. Juro. Nunca pensei que um toureiro, bêbado, a cambalear num bar pudesse dançar desta forma. Muito menos imaginei que algum dia pudesse estar a descrever esta cena para falar da personagem interpretada pelo arrumadíssimo Theo Hutchcraft. É claro que o "mulherio" não fica completamente agradado com a situação em si mas ele sorri e pronto, nem tudo está mal.   

 

A dança é impressionante. Mas, sinceramente, o que me deixou sem palavras foi a interpretação. Hollywood, atenção a este senhor... Impecável! Bem melhor que muitos actores reconhecidos, com carreiras longas que andam por aqueles lados. Perdi uns momentos a ler comentários do Youtube para perceber se fui a única a ficar impressionada com as acting skills deste homem e... Parece que sim! Não percebo, mas está bem. Acho fantástico na mesma e entra directamente para a competição de melhor vídeo de 2015. É soberbo do início ao fim! E que fim...

 

Meus caros, apresento-vos 50 Shades of Theo:

 

"Almada, o que nunca ninguém soube que houve", até que aconteceu

almada1.JPG

 

almada3.JPG

 

IMG_2015.JPG

 

almada4.JPG

 

almada5.JPG

 

almada6.JPG

 

almada7.JPG

 

almada8.JPG

 

almada9.JPG

 

 

Fotografias da exposição que esteve no Museu da Electricidade até ao dia 29 de Março.

 

Photos of the exhibition about Almada Negreiros, named "Almada, what nobody ever knew there was", that could be seen at Museu da Electricidade (Lisbon) until March 29.

E a seguir? #6

Hoje é dia de mais um Follow Friday nos Blogs do Sapo. E se há alguém que tenho de vos recomendar é a Sofia Margarida.

No blog homónimo, a Sofia Margarida expõe as peças de artesanato que vai fazendo e que são muito queridas e diferentes de tudo o que tenho visto por aí. Com a visita ao blog podem pensar que ela é especializada em mochos (porque as peças ficam uma beleza que só visto!) mas os trabalhos são variados. Eu cá fiquei encantada com um marcador Joaninha (claro!) que podem ver abaixo do texto. Outros dos hits do blog são o Chef Bigodinho Guloso e a D. Gulosa que a auxiliam na explicação de receitas. Há ainda conselhos e explicações de aspectos quotidianos que vale a pena ler. Para além disso, qualquer pessoa que siga este blog apercebe-se da evolução e do carinho que a Sofia deixa nos seus trabalhos e esses são outros dos aspectos pelos quais este blog me fascina. Dá para perceber, embora virtualmente, que a Sofia é uma pessoa simples, dinâmica e SUPER simpática: nunca deixa nenhum comentário sem resposta e reage com humildade aos elogios (totalmente merecidos) que lhe são dirigidos. 

É uma das minhas melhores descobertas que fiz nos últimos tempos nos Blogs do Sapo e um dos blogs que tem visita diária garantida por estar sempre actualizado e por inspirar qualquer um a ser um pouco mais criativo todos os dias.  

Acho que são excelentes motivos para visitarem o blog da Sofia Margarida. Não se vão arrepender!

17598008_A1I0k.jpeg