Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Um ano de Few days on land!

O Few days on land comemora hoje o seu primeiro ano de existência e eu não podia estar mais feliz com tudo o que me tem proporcionado desde o dia 11 de Abril de 2013. Ultimamente é mais complicado actualizá-lo. O trabalho e a universidade têm ocupado praticamente todo o tempo que tenho, obrigando-me a relegar a escrita e o blog para terceiro e quarto lugar da minha vida. Mas não podia deixar passar esta data.

Com o Few days on land tenho descoberto muitas pessoas e opiniões interessantes, muitos blogs que vale a pena ler e seguir. Descobri projectos, novas bandas, novos locais, novas perspectivas. Mas houve algo que este blog me mostrou e eu não esperava por isso: o Few days on land mostrou-me muito mais de mim do que eu conhecia. 

O blog nasce da minha necessidade de escrever e dar a minha opinião sobre diversos assuntos e do incentivo das pessoas especiais que tenho na minha vida. Assim, OBRIGADA a todas elas (elas sabem quem são, não precisam que as apresente aqui). Mas deixem-me especificar um nome: Professora Joana. Obrigada pelas palavras de incentivo, obrigada pelos conselhos e por me ajudar a seguir o melhor caminho desde o início da minha vida profissional. Devo-lhe muito de quem sou hoje a nível profissional (e consequentemente a nível pessoal) e nunca esquecerei isso! Obrigada ainda por me incentivar a criar este cantinho. É por tudo isto que agradecer-lhe nunca será demais!    

O Few days on land trouxe-me também cada pessoa que passou por este espaço quer isso tenha acontecido todos os dias, uma vez por semana, uma vez por mês ou apenas no dia de hoje. Neste mundo dos blogs todas as visitas são importantes. Não está em causa a popularidade mas sim o facto de "sermos lidos". É isso que, na minha opinião, é o mais importante. Porque é difícil que alguém que escreva nesta plataforma e tenha os seus textos públicos diga que escreve só para si. Por isso, OBRIGADA e todos e cada um de vós, ao Sapo e à Equipa dos Blogs do Sapo, pela visita, pela leitura, pelo comentário, por todas as reacções, pelo "Gosto" no Facebook do blog ou por se tornarem seguidores do Few days on land no Instagram. Foi um ano diferente, com trinta e uma mil coisas do inesperado, mas foi um ano mais feliz por tudo isto. Agradeço-vos, então, este ano maravilhoso.  

O som da energia

É engraçado ter visto o desafio do Sapo para partilhar uma 'power song' num dia em que estava mesmo a precisar de uma boa música, uma daquelas músicas que nos alegram e nos dão mais energia para um dia de trabalho e de aulas que exigiu muito de nós. O dia foi cansativo e, ao mesmo tempo, excelente. Mas também com a possibilidade de ouvir Arcade Fire ao almoço, não podia ser um dia mau...

 

"If the businessmen drink my blood

Like the kids in art school said they would

Then I guess I'll just begin again

You say can we still be friends

 

If I was scared, I would

And if I was pure, you know I would

And if I was yours, but I'm not

 

Now I'm ready to start"

 

'Caraca', o Ronaldo "hat-trickou" Portugal para o Mundial!

Não tinha muitas esperanças na ida da Selecção Nacional ao Campeonato do Mundo do Brasil, em 2014. Mas, tal como aconteceu no passado (já é tradição garantirmos um lugar entre os melhores através dos play-off), os "nossos miúdos" surpreenderam-me. Sofremos até ao último minuto, como é tão característico entre nós, sem deixarmos de conseguir provar porque merecemos um luger entre os melhores do Mundo. Ficou provado que, como país, como povo, temos uma capacidade de resistência e luta acima da média. Há sempre jogadores que se destacam, não é segredo para ninguém. E, embora o Fábio Coentrão continue a surpreender-me com as suas exibições, tenho de destacar o jogador que nos salva tantas vezes. É inevitável. 

Eu sei que a selecção não é só o Cristiano Ronaldo. Aliás, eu abomino a teoria de que este senhor nos deve algo por ser o magnífico jogador que é. E por dever algo entenda-se: se estivermos empatados ou a perder e o CR7 não marcar já é um "bocado menos" o melhor do Mundo, mesmo que nunca deixe  de ser - nem isso poderia passar pela cabeça de alguém - o melhor jogador de futebol do Mundo. Como é óbvio, existem várias diferenças entre jogar no Real de Madrid e jogar na Selecção Portuguesa e, para além disso, os jogadores não podem estar a 100% em todos os jogos. Mas como já disseram muitas vezes, o Cristiano Ronaldo é "de outro planeta", é "uma máquina", resumindo é o melhor. Ele calou o senhor Blatter, e destruiu latas de Pepsi, tudo isto com uma categoria que não é para todos. Sim, este senhor, o CR7, responde sempre à altura, através do seu trabalho, com golos e performances que abafam qualquer crítica que lhe seja lançada. Sinceramente, não sei como é que ainda há quem precise de votar para a atribuição da Bola de Ouro. Ainda há dúvidas? É um prémio mais do que merecido e que Cristiano Ronaldo já tratou de justificar.     

Não sei se já existiu, no futebol português, um jogador que nos tenha "oferecido" tantas fases finais de competições europeias e mundiais como Cristiano Ronaldo mas acho que devemos agradecer-lhe. Da minha parte, muito obrigado CR7.

 

 

Ronaldo, sei que às vezes exigimos demasiado de ti mas acredita que essa exigência é proporcional ao orgulho que temos pelo jogador que és. É uma alegria enorme poder dizer, sem duvidar, que o melhor jogador do Mundo é português!

 

À Selecção Nacional: obrigado pela felicidade que, através destas vitórias, dão aos portugueses. As pessoas unem-se e, mais importante, voltam a acreditar em Portugal. Vocês têm tanto poder que acredito que podiam ser campeões no Brasil e, ao regressar a Portugal, mandar a Troika e os políticos para outro planeta. Boa sorte e orgulhem-nos ainda mais em terras que, um dia, já nos pertenceram. Vou estar atenta ;)   

 

 

 

Os melhores vídeos a surgir depois da vitória :)

 

 
O entusiasmo com que este jornalista espanhol fala sobre Cristiano Ronaldo é impressionante. Concordo totalmente!   
 
 
Duas Notas
 
Nota 1: Responsáveis da Pepsi, podem pedir desculpa 50 vezes. Não adianta. Falando em números nós, portugueses, somos poucos, somos pobres e temos um país pequeno mas, como povo, temos a força e a criatividade que faltou à vossa publicidade!
 
Nota 2: Senhor Blatter, entregue os prémios que quiser ao Messi por ele ser um bom menino mas deixe-me lembrá-lo que o senhor dirige uma Federação Internacional de FUTEBOL! Se quer continuar a premiar os meninos com melhor comportamento quem sabe mudar de instituição não resolve o assunto? Posso sugerir-lhe a direcção de uma escola?
No entanto, não deixe de pedir desculpas em todas as intervenções que faz porque isso só lhe fica bem "internacionalmente" e o Ronaldo merece.