Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Nome de Código: Ásgeir

 

O nome Ásgeir não parece muito composto. Após a primeira leitura temos a certeza de duas coisas: 1) este nome não é português; 2) só pode ser um nome com origens nórdicas. Certo? Sim, estão certos!

 

Ásgeir chega-nos da Islândia e é o nome do projecto musical de Ásgeir Trausti Einarsson, um jovem nascido em 1992 e que tem, portanto, 22 anos. O islandês nasceu em Laugarbakki e estava decidido a fazer história no panorama musical da Islândia escrevendo todas as letras na língua oficial do seu país. Um país obviamente pequeno demais para o seu talento. Ásgeir é dono e senhor de uma voz inconfundível, toca guitarra e piano e escreve as próprias canções, desde a melodia até à letra. O reconhecimento internacional tem crescido a olhos vistos desde que começou a escrever em inglês. Tenho para mim que Ásgeir Trausti compreendeu que para o comum dos mortais cantar em islandês ia soar como uma música de cassete que, para ouvir do início, tínhamos de puxá-la para trás e ouvir a música ao revés...

 

Antes de conhecerem mais, podem ouvir este artista carregando no play do música abaixo. Não se vão arrepender.

 

Lá, na terra dele, a Islândia, Ásgeir é o artista sensação na categoria jovem, é claro. E prevê-se que virá a ser o artista islandês cuja música alcançará o maior nível de exportação, depois de Björk e Sigur Rós. O facto de já contar com prémios de importância considerável (4 prémios de música islandeses, entre os quais Melhor álbum do ano e Melhor artista jovem, ambos de 2012; e uma nomeação para Melhor Álbum Nórdico em 2013) e de ser líder constante dos tops musicais islandeses este ano, são as razões apontadas para o crescimento exponencial da carreira do jovem além fronteiras.

 

 
 

Em 2012 lançou o seu primeiro álbum, Dýrð í dauðaþögn, nome que eu agradeço só ter de escrever porque não saberia pronunciá-lo. O disco foi um sucesso de vendas. Para terem noção, 1 em cada 10 islandeses compraram o álbum, tornando-o rapidamente no álbum de estreia mais vendido de sempre na Islândia. No início deste ano voltou a editar o álbum mas, desta vez, em inglês: In The Silence é o nome.

 

 

Num blogue cultural internacional, Tetera y Kiwi, foi já apelidado de "o Bon Iver da Islândia". Comparações à parte, Ásgeir é mais do que um músico. Só alguém com alma de poeta escreveria as suas letras. Estou verdadeiramente impressionada com a qualidade da escrita deste artista. É impossível não dançar melancolicamente as melodias que misturam o folk e o pop, estilos esses que Ásgeir faz questão de alternar com ritmos mais eletrónicos. As guitarras simples e a percurssão assertiva fizeram metade do caminho para o sucesso. Mas os falsetes são a sua implacável arma e enquanto continuar a fazer uso dela, ninguém o vai conseguir derrubar. As suas músicas transmitem harmonia e paz, como ouvi em poucos artistas. É, portanto, um projecto sólido e forte caracterizado por uma fragilidade digna de um artista cujo nome do meio é "sensível".    

 

 
 

A música 

O primeiro single. A música com a melhor letra. A melhor versão acústica ao vivo. A minha música favorita

 

 

Mais uma letra que está próxima da perfeição
 
 
 
A cover absolutamente perfeita de "Heart-Shaped Box", dos Nirvana.
 
 
 
 
 

Redes Sociais de Ásgeir

Facebook

Twitter

Google+

Youtube

Soundcloud

Bandcamp

E o site oficial!

 

Fotografias retiradas de: 1 - Melting Vinyl; 2- The Upcoming; 3- Iceland Airwaves Journal; 4- Tetera y Kiwi.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.