Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Pensamento de ontem

Ontem cheguei a casa, depois de mais um dia cansativo e pensei:

"Se mais algum documento em PDF tem a coragem de me aparecer à frente, levo o meu computador à secção de reciclagem da loja de material electrónico mais próxima! Isto se não encontrar uma ponte pelo caminho que me permita atirá-lo a um rio qualquer deste Portugal!"

 

Agora a falar a sério...  Não que a minha opinião possa valer muito. Mas já acabava o semestre. Só assim por causa dos coisas...  

 

 

P.S. Obrigada a quem tem passado pelo Few days on land e desculpem a falta de actualização deste blogue mas quando uma pessoa decide estudar e trabalhar ao mesmo tempo algo tem de ficar para trás. Infelizmente foi o Few days on land mas já faltou mais para Julho.    

O meu dia em menos de um minuto

Acordei com um torcicolo. Às 9:30 da manhã o trabalho já me tinha feito subir e descer mais escadas que o número equivalente à subida e descida da escadaria do Santuário do Bom Jesus em Braga (quem conhece o local pode perceber que isso representa um número elevado de escadas). Considerem que estava apenas a praticar o desporto chamado rotina. Comemorando o Dia Mundial do Livro rodeei-me de livros sobre Marketing. Consegui formar uma montanha de livros. It's a winner for me! Depois do trabalho, não conseguia encontrar a concentração para as aulas. Mas o que tem de ser tem muita força. Fui e cresce a certeza de que com a ajuda das pessoas certas (até que enfim AS pessoas!), a minha Dissertação pode ficar um autêntico mimo. É "pena" o Marketing. Cheguei a casa há pouco tempo. E já não falta muito para repetir tudo isto mais uma vez.  

Resumindo: casa-trabalho-estudo-trabalho-almoço-trabalho-aulas-casa (Eu e o torcicolo, é claro!)       

Diário de um mestrado #3: As insónias (e a solução)

 

Se há coisa que acaba com as insónias de qualquer pessoa é estudar. Acreditem.

Actualmente não sei o que é não ter sono e em vez de contar "carneirinhos" ando a contar os segundos para o fim do semestre para poder dormir descansada e o tempo suficiente, e que é recomendado como necessário para o nosso bem-estar e saúde, porque já não sei muito bem o que é isso.

Portanto, se há um conselho que posso dar às pessoas que sofrem com insónias é esse: estudar. Acho, sinceramente, que se pode estudar qualquer coisa a este ritmo que se vai dormir melhor. Não há como não dormir, a sério. Não há como não andar sempre a bocejar, a cair (muitas vezes literalmente) de sono e a gastar todo o tempo livre - que já por si é praticamente inexistente - a arranjar horários para dormir. É uma luta constante!    

 

 

P.S. Escrevo-vos às 10 da manhã porque hoje é só mais um dia de repleto de trabalhos e apresentações e estudo e de, mais uma vez, dormir muito pouco.