Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Tenham um Natal muito feliz!

Bom dia caríssimos seguidores do Few days on land,

 

Hoje está tudo a acordar cedo, porque ainda há muito a ser preparado para a ceia natalícia. Há o bacalhau, claro, mas também há bolos e outros doces tradicionais, como as rabanadas, que convém serem preparados no dia. Frescos e fofos, para fazer as delícias de toda a família.

 

Por cá estamos a preparar algumas coisinhas boas, próprias desta época. No entanto, não podia deixar passar o dia sem vir aqui desejar-vos um Feliz Natal, dizer-vos que espero que consigam as prendinhas que querem mas - e principalmente - que espero que este dia vos proporcione boas recordações junto daqueles que mais amam. Que esses momentos vos façam rir este ano e nos próximos, sempre que voltarem "à baila". Que sejam peripécias eternas!

 

postal_de_natal_fewdaysonland copy.jpg

(espero que gostem do meu postal!)

 

Um grande abraço blogueiro a todos os companheiros desta viagem escrita, aos que já conheço pessoalmente, à equipa que trata de nós no Sapo, aos amigos que passam por aqui diariamente, aos que são desconhecidos para mim mas que seguem o Few days on land... A todos os que estiverem a ler esta mensagem!

 

Sejam muito, muito felizes! Aproxima-se um 2016 que vai ser de arromba. Preparem-se e despeçam-se convenientemente de 2015, com os vossos.

 

Deixo-vos uma músca que é já uma das minhas favoritas e que já é mencionada aqui no Few days on land nesta altura, por tradição, ou não fosse esta uma cover de uma das minhas bandas favoritas a uma das poucas músicas de Natal que não me cansam:

 

 

Optimus Alive'14 - Comentário Geral

O Optimus Alive NUNCA desilude. Dias antes do festival falava com um colega que este festival cria uma ligação com os festivaleiros, uma ligação que é praticamente inquebrável e que ainda nenhum outro festival em Portugal conseguiu bater. Bem, 2014 não foi excepção. Assim que passamos o pórtico da entrada, sentimos uma harmonia diferente, uma calma um tanto ou quanto "alternativa". Muitos apelidam o festival de mainstream porque não há quem não passe por Algés, nem que seja por um dia. Eu cá continuo a achar que este festival é só meu e sei que muitos outros pensam o mesmo. E porquê?

 

 

 

Optimus Alive Dia 1 - O que quero ver e ouvir

Começa hoje mais uma edição do Optimus Alive (sim, eu sei que supostamente agora se chama NOS Alive, mas eu não gosto e para mim não mudava o nome, mas isso é outra história... Conheço-o por Optimus Alive e dificilmente isso algum dia mudará.). Desde as primeiras confirmações percebi que este seria o festival do ano e tratei de garantir que um passe de 3 dias não fugia das minhas mãos. E ainda bem porque esgotaram. Irei ter a oportunidade de rever Jamie XX, que está no top das minhas preferências no cartaz. Mas vou também rever Arctic Monkeys, que tive oportunidade de ver numa das edições anteriores do Super Bock Super Rock. Estas são, na minha opinião, as atrações principais para o primeiro dia. Mas os concertos de Imagine Dragons e The Lumineers, Elbow e The 1975  também interessam. Enquanto não chega a hora dos concertos, ouçamos as músicas dos protagonistas da noite:

 

Jamie XX

 

 

Arctic Monkeys

 

 

 

Imagine Dragons

 

 

 

The Lumineers

 

 

 

 

 

Elbow

 

 

 

The 1975

 

 

 

 

Os pormenores de uma festa sem igual

O chapéu oficial, feito à mão

Uma Tuna a actuar pelas ruas da Vila de Ponte de Lima

Os bonecos alusivos à Romaria que estavam espalhados por várias montras

 
O que seria das Feiras Novas se não fosse possível aos mais pequenos a compra de bombos e concertinas? É mais uma parte da tradição!
Agora o talento de um senhor que pinta ao vivo estes quadros tão bonitos. A arte do senegalês Moustapha Kebe:

Romaria da Senhora d' Agonia: o segundo dia

As colchas com motivos alusivos a Santa Luzia, à Senhora da Agonia ou a outros símbolos relacionados com a romaria são tradicionalmente colocadas às janelas durante as festas da cidade. Autênticos tesouros, relíquias de enorme valor para as famílias de Viana do Castelo. 

Os motivos relacionados com os trajes estão espalhados pelas ruas. Como é o caso desta "chinela do traje de festa" gigante que encontrei, nela podemos ver alguns simbolos da natureza ou elementos geométricos, alguns dos tradicionais relacionados com os diferentes trajes vianenses.

O almoço foi no Fontinha Gourmet e foi uma Sandes Santa Luzia, algo muito simples, uma vez que a diferença está no pão da sandes: pão saloio. Óptimo aspecto e deliciosa sandes, por sinal! Depois, uma sobremesa adequada ao Verão, que decidiu dar os seus ares ao longo do dia: um gelado de melancia e maçã verde da Gelataria Gôndola. A mistura de sabores ficou muito agradável e fresca. 
  

Mas para almoçar com calma e sossego, como é aconselhável, valia ouro a vista que tinha naquele local. Sortuda, não?

E hoje foi o dia do Cortejo Histórico – Etnográfico, que este ano se chamava Viana “Caravela do Mar". Há quem espere muitas horas para guardar o melhor lugar para ver este cortejo. Minutos antes do início do "desfile" da história de Viana do Castelo desde a sua fundação, a Avenida dos Combatentes de Grande Guerra, a principal avenida da cidade estava assim:
Alguns momentos do Cortejo Histórico – Etnográfico em fotografia: