Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Quando o pecado mora no éclair do lado, o turista desespera

Em Abril falei-vos da minha experiência na pastelaria francesa L'Éclair, no Saldanha, uma das poucas vezes em que um éclair me pareceu um bolo diferente dos outros. Normalmente, a massa dos éclairs produzidos pelas pastelarias portuguesas parece plástico, pouco saborosa, um autêntico "pãozinho sem sal" que não convence ninguém a ser fã de tão ilustre iguaria francesa. Na mesma altura, referi que seria significativamente diferente entrar numa loja da especialidade em França e foi verdade. Tal como vos relatei na publicação sobre os macarons da Ladurée, saborear os éclairs da L'éclair de génie é uma experiência que aconselho vivamente pelo sabor e textura que são bastante diferentes do que estamos habituados a provar numa qualquer pastelaria portuguesa mas que, ainda assim, não são muito diferentes do bolo produzido pela L'Éclair do Saldanha.

 

fewdaysonlandparis (10).JPG

 

Ir a Paris e não comer os melhores macarons do mundo é como ir a Roma e não ver o Papa

Em Maio escrevi-vos a falar dos macarons da Arcádia, que adoro e julgava serem os melhores do mundo. Não são mas não estão assim tão longe disso. Mas, e como diz o título desta publicação, ir a Paris e não comer os melhores macarons do Mundo era como ir a Roma e vir de lá sem ver o Papa. Porque é uma expectativa que existe, ninguém nega e se não fossem um pequeno pedacinho de céu, não ficaríamos contentes.

 

O problema é que são e se não existirem travões económicos na vossa vida, será muito complicado parar de comer estes pequenos doces. Sim, travões económicos. É que cada um destes lindos e coloridos bolinhos custa 2 euros, porque é em Paris e porque são da Ladurée. Aquilo em Portugal era coisa para custar 1 euro, como os da Arcádia, e assim podíamos comer mais uns quantos. Dividir, caros leitores, nunca a palavra fez tanto sentido. Façam como eu e como a minha irmã, escolham uns quantos sabores, dividam e assim conseguem estabelecer uma pequena lista de favoritos. Não faltam opções (outro problema) e são todas muito pouco boas (ironia gente!)

 

                  IMG_5290.JPG     IMG_5292.JPG

 

Mais de 150 anos de experiência fazem a Ladurée ser a mais procurada e conceituada loja de macarons de Paris, mas por toda a cidade podem encontrar pastelarias com este pequeno bolinho, opções mais económicas mas não tão boas, nem com tão bom aspecto. Na minha opinião devia ser considerado crime não ir à Ladurée mais próxima fazer estragos na dieta do dia-a-dia (para quem estiver). Repito: esta é a opinião de alguém que não se importa muito com isso.

 

IMG_5299.JPG

 

IMG_5291.JPG

 

Atenção: estas cinco vistas sobre Paris podem fazer-vos fugir de casa (quem vive na cidade inclusive)

Paris é incrível. Quando ainda estamos no avião é o delírio só de saber que estamos a chegar. No momento em que finalmente aterramos e começamos a conhecer a cidade ficamos apaixonados por todos os pormenores, por mais insignificantes que possam parecer. Mas assim que vemos a cidade de um ponto suficientemente alto que permita avistar os principais ex-líbris da cidade, vivemos momentos de cortar a respiração (no avião pouco dá para distinguir, não é a mesma coisa). Não aconselho estas 5 vistas sobre a cidade a ninguém, que é como quem diz que não serão tão felizes em Paris se não as apreciarem.

 

views_paris.jpg

 

Aquilo que nunca nos vão roubar

No meio de tantas notícias más ainda é possível encontrar sinais de que, aconteça o que acontecer, há sentimentos e preocupações que nunca nos vão roubar. Enquanto continuam a tentar perpetuar um cenário de terror pelo mundo, nós continuamos a responder com o que de melhor existe à face da terra: AMOR! Façam o que fizerem, e citando o título de uma música da banda portuguesa Os Golpes, "o amor separar-nos-á"!

 

Tunisia attack: British man has surgery after shielding fiancee from gunman

 

paulo_de_tarso_frase

Porque um dia a liberdade ficou à porta

Quem me conhece sabe (quem lê regularmente o Few days on land também já deve saber) que desde que sei que o meu futuro tinha de estar ligado à comunicação, tive por ideal ser jornalista. O meu objectivo, depois da universidade, era trabalhar em jornalismo impresso. Mas - e muitas vezes os sonhos limitam-se por um 'mas' - um dia percebi que o jornalismo é muito menos livre do que parece. Ou melhor, do que transparece. Embora a ideia "vendida" nos cursos superiores seja outra. Da forma como o "pintam", o jornalismo é uma profissão de sonho. As regalias de ser livremente criativo e poder olhar o mundo desisteressadamente, ao que parece.

 

 

Ao longo dos últimos anos, foram vários os eventos em Portugal que me fizeram duvidar de que o jornalismo seja uma profissão livre, que conjugue no seu exercício o respeito pelos direitos e deveres de cada um mas que dê primazia à liberdade de expressão. Embora se pense muitas vezes que "lá fora isto não acontece", que até isto "faz muito parte do típico ser português" e que Portugal tem atitudes que o transformam num país eternamente posto à margem do jornalismo de excelência exercido nas principais capitais europeias, os acontecimentos do passado dia 7 de Janeiro no semanário satírico francês Charlie Hebdo são prova de que o jornalismo está ameaçado um pouco por todo o mundo. Uma prova clara, infelizmente.

 

charliehebdo (7).JPG

 

No seguimento do que disse antes, se há direito que valorizo é este: Liberdade de expressão. Parece tão simples e indefeso. Afinal, trata-se de poder divulgar livremente ideias ou opiniões que, embora possam não ser comummente aceites por todos, atestam uma e só uma coisa: a forma como vemos o mundo. Mas este é, acima de tudo, um direito perigoso ou, por outras palavras, um direito que nos tem dado direito a muito pouco. E os franceses perceberam-no da pior forma possível. Infelizmente, Paris teve de adaptar-se a essa realidade muito rapidamente. O mundo abriu os olhos para esta questão, mas é em Paris que se percebe como este acontecimento foi marcante. São notórias as medidas extremas de segurança, polícia em todos os cantos da cidade, pessoas desconfiadas de tudo e todos, câmaras em qualquer lugar ou forças policiais preparadas para responder às ameaças. E qualquer ameaça é levada a sério. Muito a sério.

 

charliehebdo (8).JPG

 

Como fica claro com este texto, fiquei muito sensibilizada com o que se viveu por lá e que começou numa simples redacção de jornal. Por ocasião da minha passagem por Paris resolvi conhecer aquela zona e o local onde tudo se passou. Calmo, silencioso e rotineiro, são as palavras que descrevem a impressão com que fiquei do local. A primeira coisa que se pensa é: como é que um massacre pode ocorrer aqui? Como é que algo daquela dimensão acontece neste espaço, literalmente no meio de vários prédios residenciais? Possivelmente parece-vos que estas perguntas poderiam obter o mesmo tipo de resposta. Mas dei por mim a questionar-me sobre isto, desta forma, várias vezes.

 

charliehebdo (9).JPG

 

Paris recorda - e não esquecerá nunca - o acontecimento, as vítimas e o neutralizar da liberdade de expressão. São lembrados constamente de tudo pelo que passaram. Há mensagens, murais, grafittis do mote que dava voz a quem não conseguia falar sobre o sucedido, 'Je Suis Charlie'... São várias as manifestações de saudade espalhadas por toda a cidade. Há lembranças que nunca desaparecem, algumas delas com muita pena nossa. Esta é uma dessas lembranças.

 

charliehebdo (10).JPG

 

              charliehebdo (2).JPG     charliehebdo (3).JPG     charliehebdo (4).JPG       

        

                                            charliehebdo (6).JPG          charliehebdo (5).JPG

charliehebdo (1).JPG

 

Mais momentos da viagem a Paris: Centre Pompidou

A minha caligrafia em Paris

A BB, autora do blog Bata e Batom, desafiou-me a mostrar-vos a minha caligrafia. Aproveitei a viagem a Paris para cumprir o desafio e, por coincidência ou não, encontrei a forma perfeita de o fazer: o Café Little Boy.

 

Foi numa visita ao Centre Pompidou, o local indicado para ver/rever ou conhecer profundamente o que de mais importante existe em matéria de arte moderna e contemporânea, que descobrimos uma sala que é nossa. Esta sala é tão especial que somos convidados a colorir as paredes, o chão e a mobília em redor, dando liberdade total à nossa criatividade. Tudo é possível. Podemos escrever, desenhar, pintar, inventar, criar...  O que quisermos. E aqui é que o céu é mesmo o limite. O céu e as cores de giz espalhadas pelo local. Tudo o resto depende de quão alto conseguimos chegar, para que a nossa mensagem/criação fique num local que ainda ninguém alcançou; ou do quão fortes podemos ser, para pressionar o giz no quadro, deixar fluir a nossa criatividade e tornar a nossa mensagem visível aos futuros visitantes do local. 

 

centrepompidou4.JPG

 

A instalação Café Little Boy tem origem numa parede, a única que restou da escola Fukoromachi após a queda da bomba atómica "Little Boy" em Hiroshima, a 6 de Agosto de 1945. Perto dessa parede existia uma mesa na qual os sobreviventes escreviam mensagens aos seus entes queridos. O artista francês Jean-Luc Vilmouth transportou o conceito para o Centre Pompidou, em 2005. Desde essa altura, o quadro verde gigante que reveste as paredes da sala e as mesas e cadeiras feitas do mesmo material têm permitido aos milhares de visitantes da instalação colorir o local para os visitantes futuros. Um conceito criativo resulta numa instalação diferente que desperta nos visitantes a vontade de deixar naquele centro de arte moderna algumas das suas ideias, dos seus pensamentos. E pensar que em 2005 aquela sala tinha apenas oito molduras e várias caixas de giz colorido...

 

centrepompidou1.JPG

 

centrepompidou3.JPG

 

Não sou alta o suficiente para chegar à parte do quadro que ainda não estava preenchida e não achei que precisava de chegar até lá para  escrever a minha mensagem. Por isso, preferi apostar na minha força, na cor do giz que escolhi e na língua portuguesa. Deixei escrita naquelas paredes uma das minhas frases favoritas, da autoria de um dos melhores escritores portugueses. De sempre e para sempre: Saramago.

 

centrepompidou2.JPG