Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Porque um dia a liberdade ficou à porta

Quem me conhece sabe (quem lê regularmente o Few days on land também já deve saber) que desde que sei que o meu futuro tinha de estar ligado à comunicação, tive por ideal ser jornalista. O meu objectivo, depois da universidade, era trabalhar em jornalismo impresso. Mas - e muitas vezes os sonhos limitam-se por um 'mas' - um dia percebi que o jornalismo é muito menos livre do que parece. Ou melhor, do que transparece. Embora a ideia "vendida" nos cursos superiores seja outra. Da forma como o "pintam", o jornalismo é uma profissão de sonho. As regalias de ser livremente criativo e poder olhar o mundo desisteressadamente, ao que parece.

 

 

Ao longo dos últimos anos, foram vários os eventos em Portugal que me fizeram duvidar de que o jornalismo seja uma profissão livre, que conjugue no seu exercício o respeito pelos direitos e deveres de cada um mas que dê primazia à liberdade de expressão. Embora se pense muitas vezes que "lá fora isto não acontece", que até isto "faz muito parte do típico ser português" e que Portugal tem atitudes que o transformam num país eternamente posto à margem do jornalismo de excelência exercido nas principais capitais europeias, os acontecimentos do passado dia 7 de Janeiro no semanário satírico francês Charlie Hebdo são prova de que o jornalismo está ameaçado um pouco por todo o mundo. Uma prova clara, infelizmente.

 

charliehebdo (7).JPG

 

No seguimento do que disse antes, se há direito que valorizo é este: Liberdade de expressão. Parece tão simples e indefeso. Afinal, trata-se de poder divulgar livremente ideias ou opiniões que, embora possam não ser comummente aceites por todos, atestam uma e só uma coisa: a forma como vemos o mundo. Mas este é, acima de tudo, um direito perigoso ou, por outras palavras, um direito que nos tem dado direito a muito pouco. E os franceses perceberam-no da pior forma possível. Infelizmente, Paris teve de adaptar-se a essa realidade muito rapidamente. O mundo abriu os olhos para esta questão, mas é em Paris que se percebe como este acontecimento foi marcante. São notórias as medidas extremas de segurança, polícia em todos os cantos da cidade, pessoas desconfiadas de tudo e todos, câmaras em qualquer lugar ou forças policiais preparadas para responder às ameaças. E qualquer ameaça é levada a sério. Muito a sério.

 

charliehebdo (8).JPG

 

Como fica claro com este texto, fiquei muito sensibilizada com o que se viveu por lá e que começou numa simples redacção de jornal. Por ocasião da minha passagem por Paris resolvi conhecer aquela zona e o local onde tudo se passou. Calmo, silencioso e rotineiro, são as palavras que descrevem a impressão com que fiquei do local. A primeira coisa que se pensa é: como é que um massacre pode ocorrer aqui? Como é que algo daquela dimensão acontece neste espaço, literalmente no meio de vários prédios residenciais? Possivelmente parece-vos que estas perguntas poderiam obter o mesmo tipo de resposta. Mas dei por mim a questionar-me sobre isto, desta forma, várias vezes.

 

charliehebdo (9).JPG

 

Paris recorda - e não esquecerá nunca - o acontecimento, as vítimas e o neutralizar da liberdade de expressão. São lembrados constamente de tudo pelo que passaram. Há mensagens, murais, grafittis do mote que dava voz a quem não conseguia falar sobre o sucedido, 'Je Suis Charlie'... São várias as manifestações de saudade espalhadas por toda a cidade. Há lembranças que nunca desaparecem, algumas delas com muita pena nossa. Esta é uma dessas lembranças.

 

charliehebdo (10).JPG

 

              charliehebdo (2).JPG     charliehebdo (3).JPG     charliehebdo (4).JPG       

        

                                            charliehebdo (6).JPG          charliehebdo (5).JPG

charliehebdo (1).JPG

 

Mais momentos da viagem a Paris: Centre Pompidou

O pesadelo da Dinamarca

Li um texto impressionante de Niels Ivar Larsen, um jornalista dinamarquês que participava no debate sobre a liberdade de expressão, em Copenhaga, planeado pelo cartoonista Lars Vilks, onde ocorreu mais um tiroteio ao 'estilo' do ocorrido em França, em Janeiro. Achei que o devia partilhar convosco. Li este artigo no The Guardian, embora o texto seja originalmente do jornal dinamarquês Information, do qual Larsen é editor. Um texto tão bem escrito, momentos tão agoniantes muito bem descritos. Um texto estruturado e sentido. Emocionante. 

 

 

"Here I sit in my wretched hiding place behind a black curtain, clenching on to a round coffee table – a makeshift shield made of plastic that’s hard, but surely not hard enough. This is not the death I would wish for. Is this really how it ends?

(...) 

The fight for freedom of speech has always been the most important thing for me. But was it really meant to be that I would die for it? Martyrdom is for fanatics, not democrats. Imagine dying for an ugly drawing of a Swedish dog with a prophet’s face. What an absurd reason to die. What an absurd reason to kill.

 

Like a fool I hold my coffee table shield in front of me, knowing it will not provide any protection whatsoever if the perpetrator – or could there be more than one? – forces himself into the hall and starts shooting, as he has done outside. Then it will surely be over. Like Charlie Hebdo’s editorial staff, we are all helpless victims in this room. We are sitting ducks. How painful is it to be riddled with bullets? How long does it take to die? What will become of my girlfriend? What will become of my son?

(...)

Many head towards the back entrance, others find cover behind chairs and desks, but where is shelter? Where are the hiding places? Nowhere. Here, there is no safety, absolutely none at all.

(...)

It was not a bad dream, not a stupid film. Terror has hit, it has hit Copenhagen, it has hit us all right in the heart. The question is, how long will this nightmare last?"

 

 

LER ARTIGO COMPLETO

"Uma imagem vale mais do que mil palavras"

 
"Uma imagem vale mais do que mil palavras" é uma frase que se adequa perfeitamente à excelente primeira página do jornal Público de sexta-feira. É incrível como uma imagem tão 'simples' pode ter tanto significado e tanta força. Razão mais do que suficiente para esta ter sido uma das capas escolhidas pelo conceituado The Guardian para figurar entre as melhores capas do Mundo em homenagem a Nelson Mandela (como podem ver aqui).  Mais um trabalho absolutamente FENOMENAL deste jornal, um orgulho para Portugal e um exemplo para todos os que querem vir a fazer a diferença no jornalismo!
 
(A imagem foi retirada do site do The Guardian)

Boa notícia!

É bom saber que, depois de dois anos como conteúdo pago do jornal Público, esta reportagem que escrevi está, finalmente, acessível a todos os que a queiram ler!

 

 

Aqui fica um exerto do texto:

 

Toda uma moda nacional

 

Através do crowdfunding, qualquer pessoa pode ser financiada por desconhecidos. Assim tenha uma ideia ou um projecto interessante, atraente ou extravagante.

 

Índia. Quando Inácio Roseira e Helena Pimentel passaram pela cidade de Cochim, viram alguns cães abandonados a passear e decidiram, "num acto de impulsividade e emocional", agarrar num dos animais para que viajasse com eles. O casal deu a volta à Índia, num sidecar, ao longo de cinco meses.

A cadela Kashi fez cinco mil quilómetros com eles e, no fim da viagem, Inácio e Helena queriam trazê-la para Portugal. Mas não tinham dinheiro suficiente para o fazer. Pedir emprestado? Não. Esmola? Nem pensar. Por que não pedir ajuda, para custear a despesa de transporte da cadela, a pessoas perfeitamente desconhecidas? Estranho, mas verdadeiro, o crowdfunding é a forma de financiar projectos individuais, aqueles que, "normalmente, têm um investimento inicial relativamente baixo, mas que não permite que os entrepreneurs consigam ter acesso a esses fundos por outros meios", explica Nuno Costa, sócio da Deloitte, ao P2.

O crowdfunding não se faz no meio da rua mas através da Internet. Existem entidades que disponibilizam os seus sítios online, outras desenvolvem um sítio para receberem os projectos. Em Portugal, já existem plataformas nacionais específicas. Até há pouco tempo, os portugueses recorriam a espaços internacionais. Os internautas podem aceder e escolher que projecto financiar. Cabe aos interessados prepararem uma apresentação do que é o seu projecto, inclusive com material multimédia, e os gestores do site fazerem uma prévia avaliação, continua Nuno Costa.

Mas há mais....

 

Ver reportagem completa