Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Few days on land

Um retrato do dia-a-dia de uma jovem de viagens quase sempre musicais e nem sempre coloridas.

Uma visita à exposição "1915, o ano do Orpheu"

O Museu da Eletricidade, em Lisboa, proporcionou mais um excelente momento cultural aos seus visitantes. Frisemos: excelente e gratuito! A exposição "1915, o ano do Orpheu" foi inaugurada a 26 de Junho deste ano. As últimas visitas aconteceram no fim-de-semana passado, mais precisamente a 20 de Setembro. Algures neste período de tempo, parti à redescoberta deste mundo, que me fascina como já devem ter percebido e que nunca pára de me surpreender. Esta exposição contextualiza a revista literária Orpheu nos acontecimentos e vivências do ano de 1915, cem anos depois do lançamento da mesma. Era uma sala pequena mas bem desenhada e com muitos pormenores da história da literatura portuguesa que importam conhecer e relembrar. Agora que a exposição terminou, partilho convosco algumas das fotografias 

 

1915_o_ano_do_orpheu (1).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (2).JPG

 

A revista Orpheu teve uma vida curta mas a repercussão do talento dos autores que a pensaram criou um misticismo que, de alguma forma, ainda está presente entre nós em 2015 e, na minha opinião, será eterno. Para os portugueses, para Portugal e para a história da nossa literatura no mundo. "Extinta e inextinguível", como diria Pessoa.

 

Com apenas dois números publicados e um terceiro projectado, a revista esgotou as edições e provocou várias reacções não só em Portugal como também em vários países da Europa. Dividiu opiniões ao retratar as mudanças artísticas e literárias, um período de vanguarda liderada por Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro ou Almada Negreiros, por exemplo. 

 

 

       1915_o_ano_do_orpheu (3).JPG  1915_o_ano_do_orpheu (4).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (8).JPG

              

              1915_o_ano_do_orpheu (5).JPG         1915_o_ano_do_orpheu (6).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (7).JPG

 

Steffen Dix, autor de várias obras relacionadas com Orpheu e com os autores por ela consagrados, foi o comissário desta exposição, que contou ainda com o apoio do Centro Nacional de Cultura.

"1915, o ano do Orpheu" é um retrato cronológico da época apoiado em registos bibliográficos, fotografias, objectos, filmes, cartazes publicitários, material bélico, desenhos e poesia. Orpheu é parte da nossa História. Orpheu é parte de nós, da nossa cultura. adaptação a diferentes visões do mesmo mundo. A exposição integrou o conjunto de eventos programados para as celebrações do centenário do lançamento da revista.

 

1915_o_ano_do_orpheu (12).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (9).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (10).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (11).JPG

 

   1915_o_ano_do_orpheu (13).JPG  1915_o_ano_do_orpheu (21).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (14).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (15).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (16).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (18).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (19).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (17).JPG

 

"O Orfeu não acabou. De qualquer maneira, em qualquer "tempo" há-de continuar".

Mário de Sá-Carneiro, «Cartas de Mário de Sá-Carneiro a Fernando Pessoa»

 

 

1915_o_ano_do_orpheu (22).JPG

 

1915_o_ano_do_orpheu (23).JPG

 

 

Não há nada a fazer. Eu sou uma apaixonada por este mundo. "Perdi-me" por horas numa exposição que estava confinada a uma pequena sala do Museu. Estava mesmo a precisar de toda esta arte. Alguém aqui é fã da revista Orpheu e dos talentos que ela revelou?

"Almada, o que nunca ninguém soube que houve", até que aconteceu

almada1.JPG

 

almada3.JPG

 

IMG_2015.JPG

 

almada4.JPG

 

almada5.JPG

 

almada6.JPG

 

almada7.JPG

 

almada8.JPG

 

almada9.JPG

 

 

Fotografias da exposição que esteve no Museu da Electricidade até ao dia 29 de Março.

 

Photos of the exhibition about Almada Negreiros, named "Almada, what nobody ever knew there was", that could be seen at Museu da Electricidade (Lisbon) until March 29.

VHILS @ Museu da Electricidade

Para todos os que não tiveram oportunidade de passar pelo Museu da Electricidade para contemplar o enormíssimo talento do Alexandre Farto aka Vhils, aqui ficam algumas imagens da exposição e da visita ao bonito museu que se encontra junto ao Tejo. Parabéns ao artista e a todos os que tornaram possível a exibição das suas obras. Mas, e acima de tudo, um enorme obrigada aos responsáveis do ME pela oportunidade de visitar uma exposição desta magnitude gratuitamente. Genial, Museu da Electricidade... Genial!

fewdaysonland237.JPG

fewdaysonland238.JPG